Bem vindos ao meu blog! Aqui conto histórias adocicadas de mãe do Guga do Jomi e da Sofi Relato histórias de uma mãe babada/galinha como todas as outras, rendida a uma dedicação total aos 4, pois o pappy tambem conta!

15
Mai 08

 

A nossa VIDA é única.

 

 

E procurar o equilíbrio entre “vida pessoal” e “vida profissional” é uma tarefa difícil e que exige muito  esforço e disciplina. Mas cabe a cada um de nós considerar, e escolher, até onde vale a pena beneficiar uma em detrimento da outra.

E perguntam voces ,porque estou eu a divagar sobre isto?

Bem é que ontem ,mais um colega meu, ainda jovem, de profissão "tombou" para o lado trabalhando. Foi para a sala de emergência, foi reanimado e assim ficou ,ligado a uma maquina,para o manter vivo. A situação não está muito famosa. E eu penso, tanta correria, tanto trabalhar para ganhar mais um pouco, tanto stress ,para quê?

Infelizmente não existem respostas rápidas.

Como cada ser é único,e cabe a cada um verificar quais são os seus limites e até onde ponderar os aspectos pessoais e profissionais. Mas deviamos pensar:

Se eu morrer amanhã, a empresa também morrerá?

Não, ninguém é insubstituível. Então, não queiramos ser os super-heróis. A nossa  saúde física e mental merece a nossa  atenção.

E assim termino com este poema que para mim define o meu conceito viver:

 

 

 

"Há momentos na vida em que sentimos tanto a falta de alguém que o que mais queremos é tirar essa pessoa de nossos sonhos e abraçá-la.
Sonha com aquilo que tu quiseres. Vai para onde queres ir.
Sê o que quiseres ser, porque possuis apenas uma vida e nela só tens uma oportunidade de fazer aquilo que queres.
Tem a felicidade necessária para fazê-la doce,
Dificuldades para fazê-la forte,
Tristeza para fazê-la humana,
E esperança suficiente para fazê-la feliz.
As pessoas mais felizes não têm as melhores coisas.
Elas sabem fazer o melhor das ocasiões que aparecem no caminho.
A felicidade aparece para aqueles que choram,
Para aqueles que agridem,
Para aqueles que procuram e arriscam sempre.
E para aqueles que reconhecem a importância das pessoas que passam pelas suas vidas.
O futuro mais cintilante é assente num passado intensamente vivido.
Só se terá sucesso na vida quando se perdoa os erros e as desilusões do passado.
A vida é curta, mas os sentimentos que podemos deixar duram uma eternidade.
A vida não é de brincar, porque em pleno dia se morre."
 
                                                                                                              
                                                                                                                                         Clarice Lispector

 

publicado por guguinha às 18:38
sinto-me: Pensativa sobre Vida

Eu concordo com o que escrevestes, mas dai a aplicar isso na practica vai uma grande distancia.
Não por ter 2 ou 3 empregos, porque apenas tenho um ( e chega!!) a minha vida é uma correria, entre as responsabilidades do emprego, de dona de casa e de mãe pouco tempo ( ou nenhum) sobra mim!
Eu tenho consciencia que testo o meu limite até á exaustão e qualquer dia caio para o lado, mas até lá vou continuar nesta minha luta diária de me desdobrar para chegar a todo lado!
Para conseguir tempo para mim, para descansar, para conversar, enfim para aproveitar um pouco melhor esta vida miserável o meu dia teria de ter pelo menos 36h, o que é impossivel.
E toma atenção que isto tudo não é por bens materiais para ter um bom carro ou uma casa do mais caro que há é apenas para pelo menos dar uma vida um pouco melhor que a minha á minha filha!!
Beijinhos
maedasara a 16 de Maio de 2008 às 16:37

Não pretendo ofender ninguem, com as minhas palavras, muito menos a ti,por quem sinto muito carinho, falo por conhecimento de causa.Tinha uma colega, que sempre acumulou a tempo inteiro em dois hospitais, fazia turnos a dobrar, 1º era para educar os filhos, estes cresceram, tinha montes de problemas de sáude, mas só depois de acabar de construir a casa que tinha iniciado,mudou de casa,e um dia em vez de acordar... O marido ainda a trouxe para a urgência,eramos nós que estavamos de serviço, foi muito doloroso ,vê-la ali na sala de emergência, tentou-se tudo mas nada.
Eu sei que queremos dar o melhor aos nossos filhos o C. tambem fez um horário mais meio, e eu antes de engravidar também o fiz. Eu sei que o que ganhamos mal chega até ao fim do mes, que é preciso muita ginástica ,para não faltar nada aos meus filhos nem cá em casa. Mas tambem tenho colegas que trabalham, trabalham, compram casas, que só um ordenado não chega para pagar.Se não fossem ajudas externas não conseguiam sobreviver até ao final do mês.
A minha cunhada é médica deixou o trabalho de intensivista na urgencia porque não tinha tempo para a familia.
Não falo por ti, nem por ninguém em especial, só que se acontece uma tragédia destas ,se morrermos,se ficarmos presos a uma cama, se ficarmos dependentes de alguém, será que os nossos filhos nos vão agradecer por isso?
O meu dia dia também não tem 24 horas todos os dias tem mais algumas, e ás vezes sinto bem no corpo as consequencias desses extremos .Beijinhos, Guguinha
guguinha a 16 de Maio de 2008 às 17:26

Olha linda, percebeste mal as minhas palavras, eu não me senti ofendida pals tuas palavras, apenas quis dizer que embora tivesses razão eu não consigo agir dessa forma!
Eu também sinto na pele a correria que é a minha vida, e também sei que mais cedo ou mais tarde vou pagar muito caro por isso, tanto mais que só eu é que sei como muitas vezes venho trabalhar!!
Se eu te disser que desde que tive a minha filha nunca mais fui ao médico dizes-me que sou louca, eu sei! Mas ou vou com a Sara, ou vou eu, as duas está fora de questão! Infelizmente tenho faltado imenso ao trabalho por doença do meu pai, da minha sogra, do meu sogro, da Sara.....mas nunca por mim.
Foi isto que te quis dizer que me deixo ficar para trás que exijo demasiado de mim porque tenho quem dependa disso...........
Beijinhos


Ps: Eu também sinto uma grande empatia e carinho por ti e se alguma vez me sentir ofendida ou magoada por ti podes ter a certeza que te digo com clareza e nunca por meias palavras
maedasara a 16 de Maio de 2008 às 18:10

Bem se qeres saber, também não vou a médico desde a revisão dos 6 meses que tive o Guga, levo o Guga ao pediatra, porque acho qe se eles existem é porqe são necessarios, e estão mais despertos para determinadas situações dos "piqenos" que um de clinica geral. Mas levo m de cada vez ,caso contrario deixava lá parte do ordenado, eh,eh. A vida está dificil para todos, e cada vez mais. A insegurança é muita. Mas o facto de ter visto o sofrimento de tantas mães doentes,´só de as ouvir falar do medo que tinham ,não de morrer, mas de deixar os filhos peqenos e não saber se qem viesse iria tomar bem conta e ser bom para os filhos, fez-me passar a ver a vida de outra forma. Pessoas qqe trabalhavam para terem o melhr para a familia e de m momento para o outro vinham tudo desmoronar como um castelo de areia... Prezo todos, sei que se esforçam para terem o melhor para todos em casa.
Eu sei que quando ficares chateada dizes, se não me engano ainda te chamas C, não é? Por isso sei como são as C. Beijinhos, Guguinha ( C)
guguinha a 16 de Maio de 2008 às 21:22

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
Maio 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
14
16
17

19
21
22
23

26
30


blogs SAPO